Bom dia, seja bem vindo(a) Visitante | faça o seu Login ou Cadastre-se Grátis
O Portal Consultores é focado no apoio técnico e metodológico, treinamento, interatividade, informações, ferramentas e serviços para profissionais independentes, consultores, coaches e palestrantes, constituindo desde 1990, a maior comunidade mundial destes profissionais em países de idioma português, com 65.119 participantes neste momento.
Especialidade para pesquisa
no Portal
Faça parte da comunidade
Consultores
     
 
Artigo
 
Fisiologia do Medo
24/11/2016 - por Tom Coelho

"Lindo é o sol que não tem medo de morrer para nascer no outro dia." (Joyce Morgan)

Em minha adolescência, dos muitos esportes que pratiquei, um acertadamente pode ser rotulado como "radical": o paraquedismo.

Não me perguntem como surgiu a idéia. Lembro-me apenas de seguir de carro pela Rodovia Castelo Branco, aportando na cidade de Boituva, ainda hoje sede do Centro Nacional de Paraquedismo.

Dos exatos trinta saltos que realizei em minha breve carreira, com um acionamento de reserva registrado no sétimo salto, ficou a lembrança de algumas sensações e um grande aprendizado: enfrentar e respeitar o medo.

Saltar é um elogio à adrenalina. Você a sente permeando seu sangue assim que inicia a preparação, quando é "equipado" com roupas apropriadas, paraquedas postado nas costas, altímetro posicionado no peito ou no dorso da mão e óculos de proteção.

Após uma sessão de briefing - uma simulação em terra do salto -, adentra-se a aeronave, quase sempre um Cessna monomotor ou bimotor que singrará os céus por 45 minutos até atingir a altitude adequada. Sentado na carenagem do avião, pois os bancos são removidos, você acompanha vagarosamente a evolução do ponteiro no altímetro, aprecia a paisagem e pensa na vida...

Mas o momento de maior tensão ocorre quando o piloto corta o motor da aeronave que passa apenas a planar. A porta do pequeno avião é aberta, o vento invade com veemência seu interior e você se dirige ao estribo, de onde mergulhará para o nada, para a amplitude do horizonte, nadando através das nuvens, feito pássaro, entre loopings e giros, durante intermináveis sessenta segundos.

Depois, há ainda o desafio de comandar a abertura do paraquedas, contemplar os arredores enquanto realiza manobras que colorem o firmamento, visualizar o alvo e aterrissar, sempre em segurança, desde que os procedimentos de pouso sejam observados.

Recordo-me que durante a semana, quando trafegava por uma rodovia qualquer, ao abrir a janela do carro e colocar o braço com a mão espalmada para fora sentindo o vento forte a arrastá-lo, o êxtase percorria meu corpo, como se eu estivesse a 12 mil pés. Entretanto, com o passar do tempo, esta sensação se esvaiu. Afinal, a gente se acostuma a tudo. E, tempos depois, diante da anunciada chegada de meu primeiro filho, abdiquei do esporte, não por mim, mas em respeito a ele.

Uma semana após a tragédia do vôo 3054, retornei aos aeroportos. Mais do que o caos administrativo, encontrei um clima de apreensão estampado nas feições de muitos passageiros. Embora acidentes rodoviários sejam responsáveis pela perda de mais de 35 mil brasileiros todos os anos, ninguém assume o volante de um carro acreditando que encontrará uma colisão curvas adiante.

Analogamente, ao utilizar o transporte aéreo, afora o desconforto que acomete algum, em especial no arremetido, há uma certeza da chegada em segurança, até porque estatisticamente são poucos os acidentes fatais em termos relativos.

Ocorre que primeiro começamos a recear as decolagens, porque um reverso pode entrar em funcionamento inadvertidamente. Depois, passamos a temer o intermédio, quando em velocidade de cruzeiro, por inépcia de controle do tráfego aéreo, descobrimos que podemos colidir com outra aeronave em sentido contrário. Agora, quando ao tocar o solo, todo o medo parecia ter razão para se dissipar, aprendemos que o vôo só termina quando acaba, porque pode simplesmente não frear.

O avião em que estou pousa. Quando a desaceleração é certa, vejo uma senhora ao meu lado suspirar com alívio, fazendo o sinal da cruz. Vejo também alguns rostos que guardam semblantes de pavor. Pessoas, projetos de vida inteiros, de todas as idades, que por instantes poderiam partir sem semear ou mesmo iniciar a colheita.

A fisiologia do medo remete à ação de neurotransmissores que conduzem a duas perspectivas possíveis: fuga ou luta. Nenhuma delas é opção plausível diante do sentimento circunstancial e transitório suscitado em pessoas confinadas em uma cabine à mercê de manetes, freios, reversos, controladores, companhias aéreas e governos.

Mas o fato é que vamos todos superar estes traumas. Simplesmente porque a gente se acostuma a tudo nesta vida...

 
Para acessar o CV do autor, clicar em seu nome no início deste artigo.
Para contatá-lo, clique aqui.
 
Artigos publicados deste autor(a)
 
Aplicando 5S na vida pessoal
 
Voo 3840
 
Marketing pessoal - construindo a sua marca
 
Gênese da corrupção
 
Aplicando 5S nos escritórios de advocacia
 
Síndrome de Deus
 
O país da corrupção
 
Sete vidas - a arte de conciliar vida pessoal e profissional
 
Gestão com empatia
 
Excelência no atendimento
 
A arte de empreender
 
Sobre heróis e mitos
 
Quinze anos
 
Regras de ouro para administrar o tempo e viver melhor
 
Paternalismo Corporativo
 
Passos de Bebê
 
Tempo de escolher
 
Stop and go
 
A força da vocação
 
Resiliência
 
Para ler após o Reveillon... Aplicando 5S na Vida Pessoal
 
O peso do QI na recolocação profissional
 
O Pior dos Pecados
 
O que os compradores querem
 
O Poder da Exaltação
 
Na Arena
 
O Engraxate
 
O Desejado Pergaminho
 
O clichê, o básico e o simples
 
O Coração da Empresa
 
Miopia e astigmatismo corporativos
 
Na ponta dos dedos
 
O mundo dos contratos
 
O mal da mediocridade
 
O Brasil público que dá certo
 
Recordar é viver
 
Conheça sua base motivacional
 
Empreender é preciso
 
Metamorfose Ambulante
 
Maratona da Vida
 
Liderança e Poder
 
Estabilidade ou Promiscuidade na Carreira?
 
Intraempreendedorismo: Desenvolvendo a cultura de dono
 
Facespam, chatwitter e a relevência na internet
 
Ingredientes para o Sucesso
 
Ensinando a Ousar
 
Gente do Bem
 
Jogando Xadrez
 
Especial é seu Bolso, não o Cheque!
 
Exemplos e Opiniões
 
Ensaio sobre a Lágrima
 
Educação Sem Futuro
 
Compradores Seriais
 
Crise de Identidade
 
Compre Soluções e não Problemas
 
Como se fosse a primeira vez
 
Da Garagem ao Sucesso
 
Diários de Guerra
 
Cultura do Curto Prazo
 
Diferenciação
 
Diálogos Externos e Internos
 
Desemprego Zero
 
Analfabetismo Funcional
 
A Praga dos Juros
 
Além dos Números
 
Bandeiras da Intolerância
 
Apesar de Vocês
 
Iniciativa, hesitação e acabativa
 
Atitude
 
Metas, Realizações e Resultados
 
Guerras e Guerras
 
Ponto de vista
 
Mudança e tolerância
 
Faltam heróis
 
Cuide de sua vida
 
Coragem para mudar
 
Ser e Estar
 
Celebre sua Vida
 
Tempo Perdido
 
Anatomia do Amor
 
O Caminho do Meio
 
Fracasso e Sucesso
 
Sonhos e Metas
 
A Visão do Futuro
 
Crise de Liderança
 
Brasil Doente
 
Finanças Pessoais em Equilíbrio
 
Uma nova vida em dois anos
 
Você não é pago para isso!
 
Um sentido para a vida
 
Cinco passos para uma meta
 
O Sabor do Saber
 
Geração sem-sem
 
O filho e o pai
 
A Volta da Inflação
 
Faltam liderança e pauta aos manifestantes
 
Cliente, este intruso
 
A chave da boa educação
 
A era da integração
 
Au revoir Carnaval!
 
A vida sem celular
 
A hora do sprint
 
Serviço civil obrigatório
 
O fim do pão e circo
 
As três faces do respeito em vendas
 
Agenda de 10 Segundos
 
Lei muda
 
Copa e Olimpíada - Lições de planejamento e Ética
 
A Hora de Parar
 
Latitudes do Silêncio
 
Dilemas Eleitorais
 
Efeito Placebo
 
A face oculta dos planos de saúde
 
A dor da despedida
 
Basta de Informação!
 
Poeira no vento
 
República Parlamentarista do Brasil
 
O sexto homem
 
Liderança Questionada
 
A arte da chutometria
 
Água na Cabeça
 
Marketing de Percepção
 
37 não é febre
 
Leite e Pinga
 
Começando pelo quintal
 
Chega de angústia
 
A ética do resultado
 
A Ética e a compra de seguidores nas redes sociais
 
   
     
  Busca por especialidade  
 
 
     
 
       
  Busca por autor  
 
Para listar todos os autores, clique em "buscar" sem preencher nada.
 
   
       
 
 
Dúvidas
Caso tenha alguma dúvida ou gostaria de obter maiores informações, basta utilizar um dos canais disponíveis abaixo:

 
 
 
 
     
   
     
       
 
Bernardo Leite Moreira
Comportamento
 
Gilberto Guimarães
Liderança Positiva
 
Dino Mocsányi
Mudanças & Transições
 
André Luiz de Freitas
Gestão de Pessoas - RH
 
José Antonio Purcino
Jornalismo / Comunicação
 
Marcelo Miyashita
Marketing / Publicidade
 
Casemiro de Oliveira Rosa
Estratégia
 
Jusivaldo Almeida dos Santos
Finanças Pessoais
 
Richard Doern
Empresas Familiares
 
Daniel De Stefano Menin
Marketing / Publicidade
 
Tom Coelho
Gestão de Pessoas - RH
 
Marcos Wunderlich
Coaching / Mentoring
Mentores do Portal

O conteúdo e retaguarda técnica
são validados pelo melhores
especialistas do mercado
em cada área.
     
Entre em contato conosco:
developed by MDF Tecnologia
 
  ©1996/2017 - Mocsányi Assessoria Ltda. | Todos os direitos reservados.

Endereço

Rua Tiradentes, 167 -
Parque Vila Rica - Santana de Parnaíba / São Paulo
06503-187
Tel.: / (11) 94755-9832

Horario de Atendimento
De segunda a sexta, das 08h00 às 18h00.