Boa noite, seja bem vindo(a) Visitante | faça o seu Login ou Cadastre-se Grátis
O Portal Consultores é focado no apoio técnico e metodológico, treinamento, interatividade, informações, ferramentas e serviços para profissionais independentes, consultores, coaches e palestrantes, constituindo desde 1990, a maior comunidade mundial destes profissionais em países de idioma português, com 65.119 participantes neste momento.
Especialidade para pesquisa
no Portal
Faça parte da comunidade
Consultores
     
 
Artigo
 
Divã Executivo - Devo reclamar de um colega preguiçoso que ganha mais?
04/08/2010 - por Gilberto Guimarães

Trabalho com uma pessoa menos capaz e muito preguiçosa. Cheguei a pensar em contar isso para o meu chefe, mas decidi não fazer porque ele é um colega agradável e também não via benefêcio em criar uma intriga. Entretanto, por engano, abri o seu holerite e descobri que ele ganha 30% a mais que eu. Agora, estou furioso e quero fazer algo a respeito. Será que eu deveria abrir o jogo com o meu chefe e pedir um aumento e mais reconhecimento pelo meu trabalho ou vou parecer apenas um espião invejoso?
Administrador da área de seguros, 30 anos de idade

Existe uma máxima em gestão de pessoas que diz: "Para reter e mobilizar os melhores talentos para fazerem a coisa certa, consumir o mínimo de recursos e obter o máximo de resultados, você deve se livrar de algumas pessoas que não podem fazer parte de uma equipe de alta performance. Para isso livre-se dos preguiçosos; que falam muito, fazem pouco, vivem tendo grandes ideias, mas acabam sempre dando apenas boas desculpas pelo não feito..."Isso talvez precise ser dito ao seu chefe".

Mas, por outro lado, a mesma máxima continua e também diz: "Livre-se dos pretensiosos; que se creem melhores do que são, não ouvem e não aceitam a opinião dos outros, e para quem a culpa é sempre dos outros". E mais: "Livre-se também dos politiqueiros; que falam demais, que julgam demais, que fofocam por tudo e com todos, e acabam desestabilizando as lideranças sem oferecer nada de volta". Finalmente, a máxima termina com um: "Tirando estes, todos os demais são bons parceiros de equipe".

Ooops! Talvez seja melhor não falar nada com o chefe pois, afinal, ele já deve mesmo saber. Possivelmente sua empresa e seu chefe ainda sejam daquela ápoca em que o "tempo de casa" e a lealdade eram fatores fundamentais na avaliação e evolução dos salários e das promoções. Isso sempre provoca um efeito colateral perverso, porque profissionais antigos acabam tendo remuneração superior a de profissionais mais jovens, mais preparados ou mais eficazes. Além disso, a forma clássica de avaliação e remuneração era ligada ao esforço realizado. Hoje, na sociedade do conhecimento, uma pessoa não pode mais ser avaliada e remunerada assim. O novo modelo supõe o uso da inteligência, quando no anterior se consumia braços e pernas. Os trabalhadores do conhecimento são especialistas e sabem mais do que seus chefes.

A nova estrutura organizacional precisa incorporar flexibilidade e especialização. Não se consegue mais impor a antiga forma de gestão por números, valores e prazos, através de estruturas hierárquicas departamentalizadas. Não existe mais uma relação direta entre o desempenho e o volume de produção. Não faz sentido avaliar, por exemplo, um analista pela sua velocidade de digitação. Além disso, o trabalhador do conhecimento não é incentivado apenas por incentivos financeiros. O novo desafio é criar espaço e condições para reter os talentos, pela atualização permanente, pelo uso das técnicas e sistemas mais modernos, pela liberdade de atuação e pela valorização do conhecimento. Esta dificuldade acarreta uma inadequação dos sistemas clásicos de avaliação e remuneração. Os pagamentos devem variar, sobretudo, pelo resultado obtido pelas ações das pessoas e pelo desempenho da empresa. Quem traz resultados e lucros, deve ganhar mais. Mostre realizações positivas e você terá sucesso!

 

 
Para acessar o CV do autor, clicar em seu nome no início deste artigo.
Para contatá-lo, clique aqui.
 
Artigos publicados deste autor(a)
 
Como conviver com a pressão e a falta de estímulo?
 
Devo voltar a estudar mesmo depois dos 40 anos?
 
Devo interromper a carreira para estudar fora?
 
É possível implementar mudanças sem apoio?
 
Como conserto uma contratação errada?
 
Novas funções e habilidades profissionais em um mundo em transforma?
 
As cinco competências essenciais para liderar
 
Divã Executivo - Como faço para recusar o meu chefe no Facebook?
 
Reforma tributária para emprego zero
 
   
     
  Busca por especialidade  
 
 
     
 
       
  Busca por autor  
 
Para listar todos os autores, clique em "buscar" sem preencher nada.
 
   
       
 
 
Dúvidas
Caso tenha alguma dúvida ou gostaria de obter maiores informações, basta utilizar um dos canais disponíveis abaixo:

 
 
 
 
     
   
     
       
 
Bernardo Leite Moreira
Comportamento
 
Jusivaldo Almeida dos Santos
Finanças Pessoais
 
Marcelo Miyashita
Marketing / Publicidade
 
Gilberto Guimarães
Liderança Positiva
 
Richard Doern
Empresas Familiares
 
Marcos Wunderlich
Coaching / Mentoring
 
Dino Mocsányi
Mudanças & Transições
 
Daniel De Stefano Menin
Marketing / Publicidade
 
Tom Coelho
Gestão de Pessoas - RH
 
André Luiz de Freitas
Gestão de Pessoas - RH
 
Casemiro de Oliveira Rosa
Estratégia
 
José Antonio Purcino
Jornalismo / Comunicação
Mentores do Portal

O conteúdo e retaguarda técnica
são validados pelo melhores
especialistas do mercado
em cada área.
     
Entre em contato conosco:
developed by MDF Tecnologia
 
  ©1996/2017 - Mocsányi Assessoria Ltda. | Todos os direitos reservados.

Endereço

Rua Tiradentes, 167 -
Parque Vila Rica - Santana de Parnaíba / São Paulo
06503-187
Tel.: / (11) 94755-9832

Horario de Atendimento
De segunda a sexta, das 08h00 às 18h00.