Boa noite, seja bem vindo(a) Visitante | faça o seu Login ou Cadastre-se Grátis
O Portal Consultores é focado no apoio técnico e metodológico, treinamento, interatividade, informações, ferramentas e serviços para profissionais independentes, consultores, coaches e palestrantes, constituindo desde 1990, a maior comunidade mundial destes profissionais em países de idioma português, com 65.119 participantes neste momento.
Especialidade para pesquisa
no Portal
Faça parte da comunidade
Consultores
     
 
Artigo
 
Novas funções e habilidades profissionais em um mundo em transforma?
26/06/2011 - por Gilberto Guimarães

A partir dos anos oitenta o mundo econômico entrou em tempos de grandes mudanças. As empresas que surgiram dessas mudanças são caracterizadas por organizações mais simples e flexíveis. As antigas empresas integradas e verticalizadas explodiram em um conjunto de negócios especializados, ligados por práticas comerciais e sistemas de informações. Essa nova empresa exigia uma nova lógica de atuação e de relações de trabalho. 

O modelo anterior era caracterizado por fatores que privilegiavam a segurança e a antiguidade. A estrutura organizacional e as relações de trabalho estavam centradas no conceito de especialização e de decomposição das tarefas necessitando de uma supervisão intermediária que efetuasse a comunicação com os níveis superiores, a coordenação e o controle do trabalho. Isso não faz mais tanto sentido nas sociedades do conhecimento de hoje.

A forma de remuneração era diretamente ligada à produção, e a produtividade do homem era definida pela velocidade e produtividade dos meios de produção. O “tempo de casa” e a impossibilidade de redução salarial eram fatores fundamentais na evolução dos salários e das promoções, o que acabava criando um efeito perverso, porque profissionais antigos acabavam tendo remuneração superior à de profissionais mais jovens e melhor preparados. Esse sistema deu origem à figura típica do empregado de organização. O contrato implícito de trabalho entre empresa e seus empregados era estabelecido sobre um conceito de lealdade mútua. De um lado, a empresa assegurava segurança econômica e, de outro, o empregado deveria “vestir a camisa”.

As reestruturações romperam os compromissos sociais. As empresas, concentrando o foco sobre suas atividades mais lucrativas e automatizando suas linhas de fabricação, despediram empregados com remunerações mais elevadas, mais velhos e menos adaptados aos processos modernos e automatizados. O controle e a coordenação, que antes eram assegurados por procedimentos baseados no saber dos antigos, foram automatizados e informatizados. Essa ruptura do pacto social tem consequências ainda difíceis de serem avaliadas.

Hoje, a única segurança do emprego que resta é a empregabilidade dos indivíduos, que é medida pelo seu valor ao mercado externo da empresa. Hoje existe uma dificuldade de estabelecimento de uma relação direta entre o desempenho e a produtividade de um indivíduo e o volume de produção, pois é o próprio trabalhador do conhecimento que define a velocidade e a produtividade dos seus meios de produção. Essa dificuldade provoca uma inadequação dos sistemas clássicos de avaliação e remuneração. As remunerações variam não mais apenas em função do desempenho dos funcionários, mas, sobretudo, pelo desempenho da empresa, ou até mesmo pelo valor de cotação das ações da empresa.

Esses novos tempos pedem uma nova organização de pessoas e novos profissionais. Os trabalhadores do conhecimento sabem mais do que seus ‘chefes’. Não existe mais a estrutura clássica de subordinação, onde as pessoas eram organizadas em hierarquia, por funções. As empresas copiavam a estrutura dos exércitos ou das igrejas. A nova estrutura organizacional precisa incorporar flexibilidade e especialização. A organização mais adequada é a de uma orquestra, onde o maestro lidera especialistas, define e transmite sua visão, fixa metas, mobiliza e incentiva.

Liderar é influenciar e mobilizar as pessoas, para que desenvolvam motivação para fazer o que ‘deve’ ser feito, com vontade e com o máximo de seu potencial, para atingir os objetivos fixados. Não se consegue mais impor a antiga forma de gestão por números, valores e prazos, através de estruturas hierárquicas departamentalizadas. O desafio é fazer especialistas solitários trabalharem produtivamente em equipes montadas conforme as complementaridades e as necessidades das competências e preferências.

O desafio do novo líder é ajudar a criar o novo e mobilizar as pessoas para implantarem as mudanças. Para criar o novo é preciso encerrar o velho, desestabilizar, perturbar, desorganizar e fazer a "destruição criativa". Para ser o novo líder e fazer carreira nestes novos tempos é necessário desenvolver cinco competências essenciais que devem ser aprendidas e melhoradas. O mundo empresarial exige estas competências essenciais para o sucesso.

A primeira das competências essenciais é a capacidade de influenciar fatos e pessoas, ou seja, a capacidade de fazer com que pessoas entendam o que você quer, acreditem em você, ou que coisas aconteçam porque você conseguiu que pessoas as fizessem.

A segunda é a capacidade de escolher, de decidir, de optar por uma alternativa.

A terceira competência é a capacidade de ter e desenvolver empatia, de perceber o que os outros querem, e conseguir que os outros percebam o que você quer.

A quarta competência é a capacidade de controlar as emoções e situações, pois quem não se controla, não vai controlar ninguém, nem nenhuma situação, portanto, não será líder, e será liderado pelo ambiente.

A última, mas não menos importante, é a capacidade de antecipação, de pensar na frente. O bom líder é aquele que avalia e prevê o que vai acontecer. O líder tem que antecipar, ou seja, tem que estar atento e vigilante. O futuro não é uma adivinhação, mas a conseqüência do que já está acontecendo. Estas provavelmente são as tão procuradas competências para o sucesso.

 
Para acessar o CV do autor, clicar em seu nome no início deste artigo.
Para contatá-lo, clique aqui.
 
Artigos publicados deste autor(a)
 
Como conviver com a pressão e a falta de estímulo?
 
Devo voltar a estudar mesmo depois dos 40 anos?
 
Devo interromper a carreira para estudar fora?
 
É possível implementar mudanças sem apoio?
 
Como conserto uma contratação errada?
 
As cinco competências essenciais para liderar
 
Divã Executivo - Devo reclamar de um colega preguiçoso que ganha mais?
 
Divã Executivo - Como faço para recusar o meu chefe no Facebook?
 
Reforma tributária para emprego zero
 
   
     
  Busca por especialidade  
 
 
     
 
       
  Busca por autor  
 
Para listar todos os autores, clique em "buscar" sem preencher nada.
 
   
       
 
 
Dúvidas
Caso tenha alguma dúvida ou gostaria de obter maiores informações, basta utilizar um dos canais disponíveis abaixo:

 
 
 
 
     
   
     
       
 
Marcelo Miyashita
Marketing / Publicidade
 
Jusivaldo Almeida dos Santos
Finanças Pessoais
 
Bernardo Leite Moreira
Comportamento
 
Tom Coelho
Gestão de Pessoas - RH
 
Marcos Wunderlich
Coaching / Mentoring
 
Daniel De Stefano Menin
Marketing / Publicidade
 
Casemiro de Oliveira Rosa
Estratégia
 
Richard Doern
Empresas Familiares
 
André Luiz de Freitas
Gestão de Pessoas - RH
 
Dino Mocsányi
Mudanças & Transições
 
José Antonio Purcino
Jornalismo / Comunicação
 
Gilberto Guimarães
Liderança Positiva
Mentores do Portal

O conteúdo e retaguarda técnica
são validados pelo melhores
especialistas do mercado
em cada área.
     
Entre em contato conosco:
developed by MDF Tecnologia
 
  ©1996/2017 - Mocsányi Assessoria Ltda. | Todos os direitos reservados.

Endereço

Rua Tiradentes, 167 -
Parque Vila Rica - Santana de Parnaíba / São Paulo
06503-187
Tel.: / (11) 94755-9832

Horario de Atendimento
De segunda a sexta, das 08h00 às 18h00.