Boa noite, seja bem vindo(a) Visitante | faça o seu Login ou Cadastre-se Grátis
O Portal Consultores é focado no apoio técnico e metodológico, treinamento, interatividade, informações, ferramentas e serviços para profissionais independentes, consultores, coaches e palestrantes, constituindo desde 1990, a maior comunidade mundial destes profissionais em países de idioma português, com 65.119 participantes neste momento.
Especialidade para pesquisa
no Portal
Faça parte da comunidade
Consultores
     
 
Artigo
 
As cinco competências essenciais para liderar
26/06/2011 - por Gilberto Guimarães

Conseguir uma função de liderança e construir uma carreira sólida e ter sucesso, ir além, é o grande sonho de todos. Infelizmente, os especialistas garantem que para alcançar esse objetivo, é necessário ter-se centenas de qualidades e características pessoais. A pessoa tem que ter dons inatos de liderança, saber trabalhar em equipe, saber se relacionar, ser eficiente, falar vários idiomas, conhecer diferentes culturas, ter inúmeros diplomas, MBA, Phd, etc, e ainda conseguir tempo para ser um profissional perfeito, pro-ativo, ético e leal, com todas as qualidades exigidas pelos especialistas. A verdadeira “síndrome do super-homem ou mulher maravilha”, da busca da perfeição, pressão permanente da nossa cultura judaico-cristã. Isto não está certo.

Antes de qualquer coisa, ser líder é uma tarefa a ser executada, e que para tal depende da vontade pessoal de cada profissional. Desejar liderar, gostar de organizar o trabalho de pessoas, assumir responsabilidades, definir alternativas, etc, pressupõe gostar de fazer isso. Analisando a carreira dos profissionais que conseguiram chegar a posições de liderança e ao sucesso, percebe-se que são pessoas muito focadas e centradas e que aplicaram até o limite a sua vocação ou dom natural. O segredo é não gastar tempo e dinheiro tentando ser menos ruim naquilo que você não é bom. A idéia é gastar tempo e dinheiro para ficar melhor ainda naquilo que já se é naturalmente bom, que se tem prazer de fazer.

Existem, no entanto, cinco competências essenciais que, mesmo não sendo dom ou habilidade natural, devem ser aprendidas e melhoradas. O mundo empresarial exige estas competências essenciais para o sucesso. As tarefas básicas da atuação de um líder nas empresas, ou seja, planejar, organizar, decidir, avaliar, liderar, comunicar, gerir, negociar, controlar, etc, pressupõe de alguma forma a utilização de uma ou várias dessas cinco competências. Quem já é bom em uma delas deve procurar melhorar, quem não é bom, tem que ficar “menos ruim”.

Apenas a título de ilustração para cada uma das competências vamos associar a uma ou mais tarefas nas quais ela é importante, mas ressaltamos que elas são importantes em todas. 

A arte de influenciar pessoas.

A primeira das competências essenciais, não necessariamente pela ordem de importância, é a capacidade de influenciar fatos e pessoas, ou seja, a capacidade de fazer com que pessoas entendam o que você quer, acreditem em você, ou que coisas aconteçam porque você conseguiu que pessoas as fizessem. Essa competência é fundamental, por exemplo, em liderança, porque como já ficou dito, nas novas organizações, líder não é aquele que impõe, mas sim aquele que influencia. É claro que esta capacidade é extremamente útil em negociação, importante na gestão de pessoas, na fixação de objetivos compartilhados, etc. A arte de influenciar pessoas pode ser aprendida. Na verdade, é a arte da venda de suas idéias, é a arte de convencer pessoas a trocar suas convicções e padrões por novas alternativas, que sejam mais úteis e importantes ao processo. 

A capacidade de escolher, optar.

A segunda é a capacidade de escolher, ou seja, optar-se por uma alternativa ou coisa e abrir mão das demais, ou de todo o resto. Todos nós temos uma dificuldade em escolher. Não pela dificuldade em optar, mas sim pelo medo de não estar fazendo a escolha certa, pelo receio de talvez existirem outras alternativas melhores, ainda desconhecidas. Quando o barco está afundando, não se convoca uma reunião, dá-se ordens, definem-se caminhos, parte-se para a ação. Nem sempre se pode ter a certeza de que a ordem dada, o caminho definido e a ação escolhida sejam as melhores alternativas. Na vida empresarial não fazer, não tomar a decisão é sempre muito pior que fazer uma escolha, mesmo que não ideal, decidir e realizar. Esta competência é essencial nos processos de negociação e nos momentos de tomada de decisão. Para negociar ou mandar é preciso ter um sentimento de certeza e existem técnicas para racionalizar e garantir um pouco mais a definição de alternativas, o que facilita a escolha.

É fundamental ressaltar que esta sensação de certeza, esse desprendimento pessoal que aceita a possibilidade de erro, vai além dos métodos e das técnicas, e está intimamente associada com a auto-imagem e auto-confiança. Se um líder pretende melhorar sua capacidade de decidir e de escolher é fundamental que além das técnicas e das características naturais ele aprofunde o auto-conhecimento e amplie sua auto-confiança. É importante buscar-se razões mais profundas. 

A empatia.

A terceira competência é a capacidade de ter e desenvolver empatia, de perceber o que os outros querem, e conseguir que os outros percebam o que você quer. Empatia é ser percebido (transmitir o que sou e quero), é perceber a necessidade dos outros (o que ele é e precisa) e finalmente, mesmo sem falar, estabelecer um “contrato” (eu vou fazer ou ser, o que você precisa ou quer). Empatia é o contrato, o acordo mútuo, a percepção mútua. Não existe tarefa ou ação empresarial que prescinda da boa comunicação.

Comunicação é a capacidade de ouvir o que os outros querem dizer, sobretudo aquilo que não foi dito, e de dizer aos outros, o que efetivamente você quer dizer. Alguns têm como característica pessoal, sobretudo, os emotivos uma habilidade natural, uma empatia e intuição muito desenvolvidas. Mas, empatia se desenvolve. Comunicar se aprende. Comunicar não é habilidade de falar bem, já que 93% da comunicação é não verbal. O tom da voz, a expressão corporal, as condições, “falam” muito mais do que as palavras.

Para transmitir e convencer é importante encontrar as pessoas onde elas estão, lingüisticamente falando, ou seja, é importante estabelecer o "rapport" com elas. Para isso é importante usar a mesma linguagem, ou seja, o mesmo estilo comportamental, o mesmo vocabulário, conteúdo, velocidade com que fala, volume da voz, mesma postura e o mesmo gestual. Como o corpo fala muito mais alto que a voz é importante buscar-se uma postura corporal semelhante à da pessoa, tipo espelho, ou simetria corporal, mas, fazer com naturalidade para transmitir confiança.

A pessoa só vai conseguir fazer uma carreira de sucesso e atingir postos de liderança se ela tiver a comunicação adequada com todos os envolvidos; com clientes, com fornecedores, com subordinados e superiores, ou seja, com toda a comunidade que o cerca. Esta competência também está muito ligada à capacidade de influenciar pessoas, portanto, as tarefas de liderança, já que para influenciar você tem que conseguir se comunicar de maneira adequada com cada pessoa. 

Controlar emoções e situações.

A quarta competência é a capacidade de controlar as emoções e situações. Isso começa sempre por um auto-controle, pois quem não se controla, não vai controlar ninguém, nem nenhuma situação, portanto, não será líder, estará liderado pelo ambiente. Ter auto-controle não significa eliminar os sentimentos, não sentir, mas sim usar adequadamente estes sentimentos. É não precisar reagir descontroladamente a uma situação, ou a um fato, é evitar responder sem pensar. O importante é saber usar o sentimento. A competência em gerenciar pessoas ou projetos depende basicamente da capacidade de se controlar. Mas não é só isso. Para negociar é preciso ter auto-controle, para decidir é preciso ter auto-controle. Enfim, para todas as tarefas de uma empresa o auto-controle é fundamental.

Auto-controle é natural para as pessoas mais racionais, mas isto não quer dizer que não se possa desenvolver esta capacidade. A forma mais simples e direta é descobrir quais são os fatores e situações disparadores da perda de controle. Em seguida, é procurar resignificar, tentando criar uma nova seqüência percepção-ação. Os conceitos e princípios da programação neurolingüística podem facilitar esse processo. É claro que se pode recorrer a métodos mais profundos ou a atitudes mais radicais. 

Capacidade de antecipar.

A última, mas não menos importante, é a capacidade de antecipação, de pensar na frente. O bom líder é aquele que avalia e prevê o que vai acontecer. Não é aquele que apenas reage sobre aquilo que já aconteceu. Para não ser pego de surpresa o líder tem que antecipar, ou seja, tem que estar atento e vigilante. Como é humanamente impossível estar vigilante em tudo, só se pode avaliar e antecipar aquilo em que se decidiu se manter informado, atento.

Antecipar é estabelecer prioridades e interesses. É definir aquilo que se precisa conhecer e acompanhar em detalhes, e manter uma vigília estratégica. O futuro não é uma adivinhação, mas a conseqüência do que já está acontecendo. É como se o proprietário da casa aonde você mora há muitos anos lhe pedisse para sair porque a filha vai casar e morar lá. De repente, naquele mesmo caminho que você faz todo dia da casa para o trabalho, você começa a perceber que existem inúmeras placas de casas para vender ou alugar, que você, quando não precisava, nem notava. Você vê o que você quer ver, ouve o que quer ouvir. Portanto, para poder estar vigilante na prospecção do futuro, é fundamental definir-se qual é o projeto de vida, os objetivos e ficar atento monitorando aquilo que é importante para a carreira, o projeto, a empresa, etc. E esta é a arte do Sucesso na carreira, ter um projeto, amplificar as competências naturais e desenvolver as competências essenciais.

Estas provavelmente são as tão procuradas chaves para o sucesso.

 
Para acessar o CV do autor, clicar em seu nome no início deste artigo.
Para contatá-lo, clique aqui.
 
Artigos publicados deste autor(a)
 
Como conviver com a pressão e a falta de estímulo?
 
Devo voltar a estudar mesmo depois dos 40 anos?
 
Devo interromper a carreira para estudar fora?
 
É possível implementar mudanças sem apoio?
 
Como conserto uma contratação errada?
 
Novas funções e habilidades profissionais em um mundo em transforma?
 
Divã Executivo - Devo reclamar de um colega preguiçoso que ganha mais?
 
Divã Executivo - Como faço para recusar o meu chefe no Facebook?
 
Reforma tributária para emprego zero
 
   
     
  Busca por especialidade  
 
 
     
 
       
  Busca por autor  
 
Para listar todos os autores, clique em "buscar" sem preencher nada.
 
   
       
 
 
Dúvidas
Caso tenha alguma dúvida ou gostaria de obter maiores informações, basta utilizar um dos canais disponíveis abaixo:

 
 
 
 
     
   
     
       
 
Dino Mocsányi
Mudanças & Transições
 
Marcelo Miyashita
Marketing / Publicidade
 
José Antonio Purcino
Jornalismo / Comunicação
 
Jusivaldo Almeida dos Santos
Finanças Pessoais
 
Richard Doern
Empresas Familiares
 
Bernardo Leite Moreira
Comportamento
 
Casemiro de Oliveira Rosa
Estratégia
 
André Luiz de Freitas
Gestão de Pessoas - RH
 
Daniel De Stefano Menin
Marketing / Publicidade
 
Gilberto Guimarães
Liderança Positiva
 
Tom Coelho
Gestão de Pessoas - RH
 
Marcos Wunderlich
Coaching / Mentoring
Mentores do Portal

O conteúdo e retaguarda técnica
são validados pelo melhores
especialistas do mercado
em cada área.
     
Entre em contato conosco:
developed by MDF Tecnologia
 
  ©1996/2017 - Mocsányi Assessoria Ltda. | Todos os direitos reservados.

Endereço

Rua Tiradentes, 167 -
Parque Vila Rica - Santana de Parnaíba / São Paulo
06503-187
Tel.: / (11) 94755-9832

Horario de Atendimento
De segunda a sexta, das 08h00 às 18h00.