Boa noite, seja bem vindo(a) Visitante | faça o seu Login ou Cadastre-se Grátis
O Portal Consultores é focado no apoio técnico e metodológico, treinamento, interatividade, informações, ferramentas e serviços para profissionais independentes, consultores, coaches e palestrantes, constituindo desde 1990, a maior comunidade mundial destes profissionais em países de idioma português, com 65.119 participantes neste momento.
Especialidade para pesquisa
no Portal
Faça parte da comunidade
Consultores
     
 
Artigo
 
Serviço civil obrigatório
16/07/2013 - por Tom Coelho

"Quem serve bem o seu país, não precisa de antepassados."
(Voltaire)


A polêmica do momento é a ampliação para oito anos do curso de medicina, com dois anos dedicados ao SUS. Quer saber? Isso deveria ser aplicado a todos os cursos universitários.

Vivemos em um país extremamente desigual, com elevada concentração de renda e oportunidades restritas a poucos. Segundo relatório sobre educação divulgado em setembro de 2012 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apenas 11% da população brasileira com idade entre 25 e 64 anos concluiu o ensino superior, o que nos coloca na 38ª posição entre 40 nações.

Desconsiderando-se, por um instante, a qualidade do ensino, é fato estatístico que um diploma garante maior remuneração, oportunidades de emprego e ascensão social. Entre os brasileiros, apenas 6,4% dos trabalhadores ganham mais de cinco salários mínimos, índice que sobe para 33,9% entre os universitários.

Dentro deste contexto, deveria ser princípio de todo e qualquer estudante prestar serviços à população menos favorecida. Mais do que um dever cívico ou social, um dever de consciência.

Advogados deveriam atuar na Defensoria Pública. Administradores, contadores e publicitários deveriam prestar consultoria a pequenos empresários auxiliando-os na gestão de seus negócios, reduzindo os elevados índices de mortalidade das empresas.

Engenheiros e arquitetos deveriam visitar, analisar, avaliar e sugerir melhorias em infraestrutura de favelas, comunidades carentes e áreas públicas em cidades pobres e abandonadas à própria sorte, dentre os 5565 municípios existentes, muitos criados apenas para acomodar mais políticos e cargos públicos.

Enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas e outros profissionais da saúde deveriam seguir o mesmo destino aplicado aos médicos. Enfim, todas as carreiras deveriam passar por uma profunda reforma em suas estruturas curriculares, com revisão da grade associada ao ciclo básico e ampliação do chamado ciclo profissionalizante.

Isso não significaria necessariamente a ampliação em um ou dois anos de todos os cursos, nem tampouco a prestação de serviços pelo período proposto pelo governo com relação aos médicos. Cada carreira precisaria ser analisada individualmente.

O fato é que, sem generalizar, mas pontuando como maioria dos casos, os tais trabalhos de conclusão de curso e estágios previstos nas estruturas curriculares atuais são um engodo, pois ensinam pouco e desenvolvem menos ainda. Não é à toa que estagiários carregam o rótulo de serviçais nas empresas, por vezes denominados office boys de luxo.

Ao fazer isso, muitos seriam os benefícios. Aos assistidos, a redução do abandono, a minimização do descaso. Aos estudantes, a oportunidade de exercitar a teoria, tornando-se profissionais mais preparados e qualificados.

Trabalhos de conclusão de curso e estágios previstos nas estruturas curriculares atuais são um engodo, pois ensinam pouco e desenvolvem menos ainda.

Porém, há alguns pré-requisitos. Primeiro, a melhoria na qualidade do ensino, mediante valorização dos docentes (que deverão, além de ensinar, monitorar os alunos no período de atendimento à população) e acompanhamento rigoroso dos cursos universitários, coibindo a ação de “uniesquinas” que surgem com objetivo meramente pecuniário. E o melhor mecanismo para isso é a realização em todos os cursos de um exame similar ao aplicado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aos formandos em Direito. Esta seria uma garantia de que as pessoas carentes não seriam assistidas como cobaias por profissionais com baixo nível de instrução.

A segunda providência é de responsabilidade pública e concerne à infraestrutura. Sem hospitais, postos de saúde, ambulâncias, equipamentos, remédios, de nada adianta ter mais médicos. Analogamente, em todas as demais profissões, o exercício do ofício demanda condições ideais de trabalho.

Terceiro, deve-se discutir com a sociedade como operacionalizar esta iniciativa, o que envolve inclusive a remuneração dos profissionais, uma vez que durante uma parte do período laborativo estes deverão ser remunerados. Isso afasta a tese de “serviço civil obrigatório”.

Aos críticos de plantão não faltarão argumentos. Irão falar em cerceamento da liberdade, nas dificuldades de alocar estudantes em regiões distantes, em uso de mão de obra barata. A grande questão é quem terá coragem de propor e debater esta grande revolução em prol da elevação da qualidade de ensino e da redução das desigualdades sociais.

 
Para acessar o CV do autor, clicar em seu nome no início deste artigo.
Para contatá-lo, clique aqui.
 
Artigos publicados deste autor(a)
 
Aplicando 5S na vida pessoal
 
Voo 3840
 
Marketing pessoal - construindo a sua marca
 
Gênese da corrupção
 
Aplicando 5S nos escritórios de advocacia
 
Síndrome de Deus
 
O país da corrupção
 
Sete vidas - a arte de conciliar vida pessoal e profissional
 
Gestão com empatia
 
Excelência no atendimento
 
A arte de empreender
 
Sobre heróis e mitos
 
Stop and go
 
Paternalismo Corporativo
 
Regras de ouro para administrar o tempo e viver melhor
 
Passos de Bebê
 
Quinze anos
 
Tempo de escolher
 
A força da vocação
 
Para ler após o Reveillon... Aplicando 5S na Vida Pessoal
 
Resiliência
 
O peso do QI na recolocação profissional
 
O Pior dos Pecados
 
O Poder da Exaltação
 
O que os compradores querem
 
Na Arena
 
O clichê, o básico e o simples
 
O Desejado Pergaminho
 
Miopia e astigmatismo corporativos
 
Na ponta dos dedos
 
O mal da mediocridade
 
O Brasil público que dá certo
 
O Engraxate
 
O mundo dos contratos
 
O Coração da Empresa
 
Recordar é viver
 
Conheça sua base motivacional
 
Empreender é preciso
 
Metamorfose Ambulante
 
Liderança e Poder
 
Maratona da Vida
 
Ingredientes para o Sucesso
 
Especial é seu Bolso, não o Cheque!
 
Estabilidade ou Promiscuidade na Carreira?
 
Gente do Bem
 
Ensinando a Ousar
 
Facespam, chatwitter e a relevência na internet
 
Intraempreendedorismo: Desenvolvendo a cultura de dono
 
Exemplos e Opiniões
 
Fisiologia do Medo
 
Jogando Xadrez
 
Ensaio sobre a Lágrima
 
Educação Sem Futuro
 
Diferenciação
 
Diálogos Externos e Internos
 
Diários de Guerra
 
Como se fosse a primeira vez
 
Da Garagem ao Sucesso
 
Desemprego Zero
 
Cultura do Curto Prazo
 
Compradores Seriais
 
Crise de Identidade
 
Compre Soluções e não Problemas
 
Além dos Números
 
A Praga dos Juros
 
Apesar de Vocês
 
Analfabetismo Funcional
 
Bandeiras da Intolerância
 
Iniciativa, hesitação e acabativa
 
Atitude
 
Metas, Realizações e Resultados
 
Guerras e Guerras
 
Ponto de vista
 
Mudança e tolerância
 
Faltam heróis
 
Cuide de sua vida
 
Coragem para mudar
 
Ser e Estar
 
Celebre sua Vida
 
Tempo Perdido
 
Anatomia do Amor
 
O Caminho do Meio
 
Fracasso e Sucesso
 
Sonhos e Metas
 
A Visão do Futuro
 
Crise de Liderança
 
Brasil Doente
 
Finanças Pessoais em Equilíbrio
 
Uma nova vida em dois anos
 
Você não é pago para isso!
 
Um sentido para a vida
 
Cinco passos para uma meta
 
O Sabor do Saber
 
Geração sem-sem
 
O filho e o pai
 
A Volta da Inflação
 
Faltam liderança e pauta aos manifestantes
 
Cliente, este intruso
 
A chave da boa educação
 
A era da integração
 
Au revoir Carnaval!
 
A vida sem celular
 
A hora do sprint
 
O fim do pão e circo
 
As três faces do respeito em vendas
 
Agenda de 10 Segundos
 
Lei muda
 
Copa e Olimpíada - Lições de planejamento e Ética
 
A Hora de Parar
 
Latitudes do Silêncio
 
Efeito Placebo
 
Dilemas Eleitorais
 
A face oculta dos planos de saúde
 
A dor da despedida
 
Basta de Informação!
 
República Parlamentarista do Brasil
 
Poeira no vento
 
O sexto homem
 
Liderança Questionada
 
A arte da chutometria
 
Água na Cabeça
 
Marketing de Percepção
 
37 não é febre
 
Leite e Pinga
 
A Ética e a compra de seguidores nas redes sociais
 
Começando pelo quintal
 
Chega de angústia
 
A ética do resultado
 
   
     
  Busca por especialidade  
 
 
     
 
       
  Busca por autor  
 
Para listar todos os autores, clique em "buscar" sem preencher nada.
 
   
       
 
 
Dúvidas
Caso tenha alguma dúvida ou gostaria de obter maiores informações, basta utilizar um dos canais disponíveis abaixo:

 
 
 
 
     
   
     
       
 
Richard Doern
Empresas Familiares
 
Dino Mocsányi
Mudanças & Transições
 
Jusivaldo Almeida dos Santos
Finanças Pessoais
 
Marcelo Miyashita
Marketing / Publicidade
 
Bernardo Leite Moreira
Comportamento
 
Gilberto Guimarães
Liderança Positiva
 
José Antonio Purcino
Jornalismo / Comunicação
 
Casemiro de Oliveira Rosa
Estratégia
 
Marcos Wunderlich
Coaching / Mentoring
 
Tom Coelho
Gestão de Pessoas - RH
 
André Luiz de Freitas
Gestão de Pessoas - RH
 
Daniel De Stefano Menin
Marketing / Publicidade
Mentores do Portal

O conteúdo e retaguarda técnica
são validados pelo melhores
especialistas do mercado
em cada área.
     
Entre em contato conosco:
developed by MDF Tecnologia
 
  ©1996/2017 - Mocsányi Assessoria Ltda. | Todos os direitos reservados.

Endereço

Rua Tiradentes, 167 -
Parque Vila Rica - Santana de Parnaíba / São Paulo
06503-187
Tel.: / (11) 94755-9832

Horario de Atendimento
De segunda a sexta, das 08h00 às 18h00.