Boa noite, seja bem vindo(a) Visitante | faça o seu Login ou Cadastre-se Grátis
O Portal Consultores é focado no apoio técnico e metodológico, treinamento, interatividade, informações, ferramentas e serviços para profissionais independentes, consultores, coaches e palestrantes, constituindo desde 1990, a maior comunidade mundial destes profissionais em países de idioma português, com 68.400 participantes neste momento.
Especialidade para pesquisa
no Portal
Faça parte da comunidade
Consultores
     
 
Artigo
 
A Educação Financeira é a Forma de Combater Qualquer Crise
15/10/2015 - por Reinaldo Domingos

A situação aparentemente é crítica, o sentimento de parte da população, do empresariado e mesmo de parte do político é que a crise se aproxima rapidamente e, por mais que o brasileiro tenha fama de ser descolado em driblar crise econômica, inflação e orçamento baixo, um clima de medo paira no ar.

Sem dúvida, vale ouro o aprendizado de anos convivendo com condições de instabilidade e incerteza. Mas, agora, num cenário mais favorável que tempos atrás, no qual se tem mais estabilidade, aumento de renda e de poder de compra, é importante combater esse clima de desânimo, pois, caso se torne crescente, pode sim levar à recessão. São nos momentos de baixas que as grandes nações mostram que possuem educação financeira e se projetam para crescer.

Portanto, esse é o momento para ajudar os brasileiros a somarem ao seu típico jogo de cintura a educação financeira – conhecimento que pode ajudar a traçar um futuro com mais qualidade de vida, sem, para isso, ter que abrir mão de realizar, no presente, seus sonhos de consumo e sem se tornar inadimplente. Apesar da segurança do Brasil em relação aos efeitos da crise mundial passada, precisamos repensar; é preciso estimular a cultura do planejamento financeiro e, principalmente, o hábito de poupar.

Falar em reserva depois de um momento em que as classes D e E estão em plena ascensão e sentindo, pela primeira vez, o gostinho de ter poder de compra, pode parecer um balde de água fria. Mas não é, especialmente quando se assiste a uma crise global desencadeada por uma série de comportamentos de alto risco de consumidores, agentes financeiros e governos. No Brasil, boa parte da população também tem comportamento de risco: gasta mais do que ganha e paga quando e como pode, sem perceber que os juros corroem suas finanças.

Equilibrar ganhos e gastos para honrar compromissos financeiros, realizar sonhos e planejar um futuro seguro, requer aprendizado, disciplina e uma atitude diferenciada na relação com o dinheiro. Infelizmente, pelo histórico de experiências da sociedade brasileira, lidar com finanças não é um conhecimento de domínio público nem está sendo transferido com eficácia para as novas gerações.

Os reflexos são visíveis a cada novo indicador de endividamento ou inadimplência noticiado. Os indicadores dizem respeito exatamente aos vilões do ciclo de endividamento: as linhas de crédito – limite de cheque especial, cartão de crédito, compras parceladas, empréstimos, etc.

Estima-se que estão em circulação mais de 200 milhões de cartões de crédito e débito, ou seja, mais que toda a população brasileira. Um terço das pessoas não consegue pagar a fatura total do cartão. Dos outros dois terços que conseguem, quase todos têm parcelamentos, que vão de duas a 18 parcelas fixas. Isso significa que praticamente todos os brasileiros estão endividados.

O ciclo do endividamento começa com a compra parcelada – cheque, crediário, cartão. Devido à falta de planejamento, logo se percebe que não vai dar para pagar a fatura do cartão. A tendência, a partir daqui, é buscar alternativas para combater os efeitos e não as causas do problema. Assim, a primeira alternativa, frequentemente, é usar o cheque especial ou pagar a parcela mínima, até chegar ao ponto em que não consegue nem pagar a mínima e o uso do limite do especial ficar extrapolado. A saída mais comum é recorrer a um empréstimo para quitar as dívidas. Com o tempo e novos gastos, a parcela do empréstimo também passa a não caber mais no orçamento e, assim, chega-se a uma situação limitadora, que tem deixado brasileiros adoentados física e mentalmente.

Portanto, combater as causas do que chamo de analfabetismo financeiro funcional é fundamental para as pessoas terem mais qualidade de vida.

Esse combate se faz com ajuda de métodos vivenciais e não puramente acadêmicos, que estimulem mudanças de hábito na forma de administrar o dinheiro que entra e o dinheiro que sai, priorizando os sonhos e não o consumo, como a maioria de nós aprendemos desde criança. Essas mudanças de hábito exigem atitude, disciplina e perseverança e resultam em um novo comportamento com relação ao dinheiro, quebrando o ciclo de gerações de pessoas endividadas e criando uma nova geração de pessoas e famílias equilibradas financeiramente.

Para isso, não há idade para começar. Embora algumas escolas públicas e privadas já adotem metodologias para levar esse conhecimento a crianças e jovens, esse ensino ainda não foi oficializado, há uma lei em trâmite no Senado. Enquanto isso não acontece, nem em escolas nem em outras instâncias, sugiro aos leitores que, antes de qualquer compra, se façam as seguintes perguntas e estimulem amigos a se perguntarem também:

“Eu realmente preciso desse produto? O que ele vai trazer de benefício para a minha vida? Se eu não comprar isso hoje, o que acontecerá? Estou comprando por necessidade real ou estou motivado por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? Estou comprando por mim ou influenciado por outra pessoa ou por propaganda sedutora?” Se, mesmo diante desses questionamentos, concluir que realmente precisa comprar o produto, seria prudente fazer mais algumas perguntas, como “De quanto eu disponho efetivamente para gastar? Tenho o dinheiro para comprar à vista? Precisarei comprar a prazo e pagar juros? Tenho o valor referente a uma parcela, mas o terei daqui a três, seis ou doze meses? Preciso do modelo mais sofisticado ou um básico, mais em conta, atenderia perfeitamente à minha necessidade?”

Essa é uma maneira minimamente responsável de minha parte para ajudar a população a não cair nas armadilhas do crédito fácil e o elevado estímulo ao consumo. Não julgo o mercado publicitário nem os agentes financeiros, esse é o negócio deles e estão fazendo seu trabalho, mas é preciso implementar ações consistentes para conscientizar as pessoas, de diferentes faixas etárias e todos os níveis econômicos, a lidar com dinheiro com consciência. Só assim serão capazes realizar seus sonhos de consumo, garantir uma aposentadoria com renda digna e, por que não, alcançar a autonomia financeira, ou seja, trabalhar por prazer e não por necessidade.

 
Para acessar o CV do autor, clicar em seu nome no início deste artigo.
Para contatá-lo, clique aqui.
 
Artigos publicados deste autor(a)
 
Como Não Fazer do Carro o Motivo de Dívidas
 
Casamento: Como Planejar a Vida Financeira do Casal
 
Como Utilizar Cursos de Finanças de Forma Correta
 
Os Cuidados na Hora de Realizar o Sonho da Casa Própria
 
Diferenças Econômicas nas Escolas Devem ser Tratadas com Cuidado
 
Cartão de Crédito: um Aliado ou Inimigo?
 
Governo Deve Combater o Tabagismo Aumentando o Preço do Cigarro!
 
Educação Financeira e a Melhoria no Ambiente de Trabalho
 
Educação Financeira Minimiza Consequências do Crédito Consignado
 
Balada: o Bom é Curtir com Moderação
 
Férias: Como Sair e Voltar sem Dívidas?
 
Como Fugir dos Juros
 
Carteira de Estudante: Use com Cuidado!
 
Aumento no IPI dos Veículos: Veja Cuidados na Hora da Comprar
 
Como se Planejar para a Copa do Mundo
 
Empreendedorismo e Metodologia de Educação Financeira: Qual a Relação?
 
Aproveite o Carnaval sem se Endividar
 
13 Orientações para Fazer de 2014 o Ano da Educação Financeira
 
Cartão Pré-pago: Ótima Opção, Desde que se Tenha Educação Financeira
 
Escrituração Contábil: Ter ou Não Ter?
 
Leasing: Vantagens e Desvantagens
 
Crédito Consignado Cresce Assustadoramente
 
Menos Bebidas Representa Mais Dinheiro!
 
A Queda dos Juros e a Necessidade do Consumo Consciente
 
Feche sua Empresa Corretamente
 
Orientações para um Casamento Feliz Financeiramente!
 
Cartão de Débito: Cuidados Necessários
 
Aprender a Investir para Prazos Maiores é uma Necessidade
 
Jovens Sofrem com Falta de Educação Financeira
 
A Necessidade da Inclusão da Educação Financeira nas Escolas
 
A Melhor Aplicação Depende de seu Sonho
 
A Importância de Preparar os Colaboradores para a Aposentadoria
 
Aposentadoria pelo INSS? Vantagens e Desvantagens
 
Como as Empresas Podem Superar Brigas Entre Sócios e Herdeiros
 
Financiar os Estudos Pode Ser um Bom Investimento
 
   
     
  Busca por especialidade  
 
 
     
 
       
  Busca por autor  
 
Para listar todos os autores, clique em "buscar" sem preencher nada.
 
   
       
 
 
Dúvidas
Caso tenha alguma dúvida ou gostaria de obter maiores informações, basta utilizar um dos canais disponíveis abaixo:

 
 
 
 
     
 
 
 
     
       
 
Almir Rizzatto
Jornalismo / Comunicação
 
Tatiana Mocsanyi Kassardjian
Turismo e Hotelaria
 
Marcelo Miyashita
Marketing / Publicidade
 
Reinaldo Domingos
Finanças
 
Marcos Wunderlich
Coaching / Mentoring
 
André Luiz de Freitas
Gestão de Pessoas - RH
 
Ernesto Haberkorn
Desenvolvimento de Negócios
Especialistas do Portal

O conteúdo e retaguarda técnica
são validados pelo melhores
especialistas do mercado
em cada área.
     
Entre em contato conosco:
developed by MDF Tecnologia
 
  ©1996/2021 - Mocsányi Assessoria Ltda. | Todos os direitos reservados.

Endereço

Calçada das Anêmonas, 176 - Centro Comercial
Alphaville - Barueri / São Paulo
06453-005
Tel.: 11 4195 2286 / 11 94715 7546

Horario de Atendimento
Segunda a Sexta das 08 às 18hs